domingo, 19 de dezembro de 2010

Itália: Televisões recusam passar anúncio lésbico

Duas televisões italianas, a RAI e a Mediaset , detida pelo primeiro-ministro, recusaram-se a passar um anúncio que tinha uma cena com duas mulheres na cama.
A publicidade em causa, destinada a promover um carro da Renault, começa com duas jovens a trocarem olhares e a passarem para um quarto, onde se despem. Enquanto uma delas tem os olhos vendados, a outra aproveita para lhe roubar uma peça de roupa e fugir.
"A competição é feminina" é o lema da campanha.

Fonte: Expresso online

sábado, 23 de outubro de 2010

Governo revoga benefícios às instituições religiosas

O Governo quer retirar os benefícios fiscais concedidos em 2001 às instituições religiosas não católicas e às instituições particulares de solidariedade social (IPSS), mas mantendo os apoios concedidos desde 1990 à Igreja Católica.

A iniciativa não foi comunicada às diversas comunidades e aparece sem qualquer referência, como uma revogação de benefícios fiscais, em três linhas da proposta de Orçamento do Estado (OE) de 2011 – a votar pelo Parlamento na generalidade a 3 de Novembro próximo. Apesar de questionado anteontem, o Ministério das Finanças não deu qualquer explicação sobre o carácter discriminatório da medida nem sobre a poupança esperada.

Entre membros de comunidades religiosas não católicas, colocados a par da decisão governamental, a primeira impressão foi de incredulidade e a segunda de espanto. A mesma reacção encontrou-se na comissão da liberdade religiosa, órgão independente de consulta da Assembleia da República e do Governo, prevista na Lei de Liberdade Religiosa (Lei 16/2001) e com “funções de estudo, informação, parecer e proposta em todas as matérias relacionadas com a aplicação da Lei de Liberdade Religiosa”.

O seu vice-presidente, Manuel Soares Loja, defende que, caso venha a ser aprovado esse artigo do OE de 2011, trata-se de “um retrocesso” e de uma violação de dois princípios constitucionais – o da igualdade e o da separação entre o Estado e a religião. “A intenção já em si é uma má notícia, mas se for aprovado é um retrocesso ao princípio da igualdade”, afirma Manuel Soares Loja. “Perceberíamos, se todas as igrejas fossem afectadas.” Assim sendo, parece que passa a haver “cidadãos de primeira e cidadãos de segunda”.

Em 1990, o Governo Cavaco Silva concedeu, na prática, a isenção de IVA à Igreja Católica, conferência episcopal, dioceses, seminários e outros centros de formação destinados à preparação de sacerdotes e religiosos, fábricas da Igreja, ordens, congregações e institutos religiosos. Essa isenção incidiu sobre objectos, bem como a construção, manutenção e conservação de imóveis destinados “ao culto, à habitação e formação de sacerdotes e religiosos, ao apostolado e ao exercício da caridade”. As IPSS foram incluídas no rol das entidades beneficiárias.

Na altura, a forma encontrada entre o Governo e a Comissão Europeia, de maneira a não contrariar as regras comunitárias, foi a de cobrar o IVA às actividades económicas da Igreja Católica, mas conceder-lhes um subsídio igual ao reembolso do IVA suportado. Mas essa prática fiscal em benefício unicamente da Igreja Católica seria mais tarde alargada.

Em 2001, a lei de liberdade religiosa estendeu o benefício às outras religiões radicadas no país, como forma de respeitar o princípio constitucional de não discriminação. Ora, passados nem dez anos, o Governo pretende revogar parte dessa própria lei.

O OE de 2011 prevê, no seu artigo 127.º, a revogação, primeiro, do artigo 2.º do Decreto-Lei 20/90 que consagrou a isenção de IVA na aquisição de bens e serviços relacionados com a actividade desenvolvida pelas IPSS.

Depois, propõe-se ainda a revogação do artigo 65.º da Lei de Liberdade Religiosa. Esse é o artigo que veio, precisamente, conceder às “igrejas e comunidades religiosas radicadas no país, bem como os institutos de vida consagrada e outros institutos”, o direito de opção pelos benefícios concedidos à Igreja Católica no Decreto-Lei 20/90.

Público, 23 de Outubro de 2010

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Pelas nossas crianças

Miguel Vale de Almeida: Pelas nossas crianças
2010-06-10

Neste momento uma lésbica ou um gay podem adoptar uma criança sozinhos. Em casal já não podem fazê-loO debate sobre casamento entre pessoas do mesmo sexo foi marcado, em Portugal, por uma originalidade: o espectro da adopção e a ressalva em relação à mesma na lei. É certo que ambos assentam na distinção entre conjugalidade e parentalidade: a primeira é uma questão de escolhas entre duas pessoas adultas; a segunda envolve menores. Mas também é verdade que muita desinformação (na melhor das hipóteses) e muita homofobia (na pior) estão na base de algumas manifestações desta originalidade. É preciso esclarecer - de modo a fechar o fosso que separa os níveis de aceitação do casamento dos níveis de aceitação da adopção por casais do mesmo sexo.

Desde logo: neste momento uma lésbica ou um gay podem adoptar sozinhos. Em casal - seja em união de facto, seja casados/as - já não podem fazê-lo. Também o acesso à procriação medicamente assistida está barrado às mulheres sem companheiro ou marido e não dispomos entre nós de um banco de gâmetas para a inseminação artificial independente de problemas de fertilidade. Em segundo lugar, o debate sobre adopção colocou as questões da parentalidade de lésbicas e gays num plano restrito, porque a parentalidade não se esgota na adopção. Não só a procriação medicamente assistida pode ser uma via para a parentalidade, como o exercício desta por lésbicas e gays já existe, havendo situações humanas que necessitam de resolução urgente - as das crianças privadas do pleno usufruto do seu direito às suas mães e aos seus pais.

Lésbicas e gays têm ou desejam (ou não) ter filhos pelas mesmas razões que os e as heterossexuais. Razões simultaneamente "egoístas" e "altruístas", parte de projectos de vida, de afectos e vontade de cuidar, num quadro cultural comum a todas as orientações sexuais, ainda que encarando as lésbicas e os gays obstáculos bem maiores. Pensemos em dois exemplos "prototípicos" de parentalidade lésbica e gay e seus problemas.

Primeiro exemplo: António adoptou sozinho; meses depois apaixonou-se por Paulo e decidiram viver juntos. A relação solidificou-se e Paulo passou a ser também uma figura parental para a criança. Só António tem a tutela da criança e Paulo está totalmente excluído do exercício legal da parentalidade, desde a escola ao hospital, passando (passando?!) pela tutela no caso da morte de António. A criança ficou privada do seu direito ao seu outro pai. Segundo exemplo: Maria e Manuela apaixonaram-se, vivem juntas há anos e decidiram ter filhos. Calhou a Maria a função de engravidar, o que conseguiu em Espanha, onde há livre acesso à inseminação artificial no serviço de saúde. Escolheram este método para evitarem eventuais problemas de reivindicação de paternidade por algum amigo dador. A criança cresceu com vínculo afectivo às duas mães e... os mesmos problemas que se colocam à filha de António e Paulo colocam-se ao filho de Maria e Manuela.

Estas crianças existem, hoje, aqui, no mesmo prédio ou rua do leitor ou da leitora, na mesma creche ou escola dos seus filhos e filhas. Urge resolver este problema, através das figuras da co-adopção ou da perfilhação. Mas existem também outras crianças, as institucionalizadas, cá ou no estrangeiro, justamente as que poderiam ser adoptadas por casais de lésbicas e gays, cujas competências parentais seriam ajuizadas em pé de igualdade com as dos casais heterossexuais. E existem ainda as crianças desejadas quer pelas mulheres sozinhas, quer por casais de mulheres, que não podem engravidar de forma legalmente segura por lhes estar vedado o acesso à PMA.

Disse-o sempre e afirmei-o ao votar (enquanto deputado independente) em projectos-lei relativos ao casamento e que permitiam também a adopção. A minha lealdade ao grupo parlamentar a que pertenço mantém-se, como se manterá a do PS, porque é antes do mais lealdade para com os eleitores: o programa eleitoral não previa a adopção por casais e tal foi explicitamente afirmado. Mas isso não significa ficarmos quietos. Devemos fazer o trabalho de combate aos preconceitos sobre a adopção por casais do mesmo sexo, abordar com coragem a questão da co-adopção, e alterar a lei da PMA existente. Podemos fazê-lo dando a conhecer os estudos existentes e as declarações das associações científicas e profissionais internacionais da área, que explicitamente demonstram que é a qualidade da educação e não a estrutura familiar (neste caso o género dos pais ou mães) que influem no desenvolvimento das crianças. Podemos fazê-lo dando a conhecer as realidades, acima referidas, das crianças filhas de casais de lésbicas e gays. Podemos fazê-lo defendendo o princípio de autonomia sexual das mulheres, da livre escolha reprodutivas, e da igualdade, princípios postos em causa pela actual lei da PMA.

Devemos ter a coragem política de fazer este trabalho, de modo a chegarmos à próxima legislatura em condições de Portugal ter igualdade plena: quando os casais do mesmo sexo puderem candidatar-se à adopção e as crianças institucionalizadas tiverem mais possibilidades de obter uma família; quando as crianças tiverem ambos os pais ou ambas as mães reconhecidos; e quando as mulheres sem companheiro masculino puderem recorrer à procriação medicamente assistida por razões de infertilidade ou não. Há muito por fazer, desde a construção de novos consensos até - porque não, se a realidade muda, como o demonstrou a vitória do casamento... - algumas mudanças legislativas. Pelas nossas crianças: as que existem, as que desejam uma família, e as que desejamos ter.

*Antropólogo, activista LGBT, deputado independente à AR pelo PS

In Público de 10 de Junho de 2010

Portugal

Rihanna & Laetitia Casta - "Te Amo" (Official...

sábado, 5 de junho de 2010

“Ministério Público” denuncia líderes das Testemunhas de Jeová! no Brasil

Sebastião Ramos: “Ministério Público” denuncia líderes das Testemunhas de Jeová!
Escrito por Sebastião Ramos

Qui, 03 de Junho de 2010 20:37

“Há algum tempo, vinculei em diversas mídias do Brasil os artigos: “Quem Tem Autoridade Para Excomungar” Episódios Relevantes Que Mudaram A História do Brasil”. Onde foi abordado a questão da discriminação social que sofre quem é vítima da desassociação da Igreja Testemunhas de Jeová.
Para relembrar, observem bem o que está escrito em um livro que tem como título “Mantenha-se no Amor de Deus”, páginas 207-209, lançado pelas Testemunhas de Jeová em 2008.
“É realmente necessário evitar todo e qualquer contato com a pessoa? Sim, por várias razões. Primeiro, é uma questão de lealdade a Deus e à sua Palavra. Obedecemos a Jeová não apenas quando é conveniente, mas também quando envolve grandes desafios. O amor a Deus nos motiva a obedecer todos os seus mandamentos, reconhecendo que ele é justo e amoroso, e que suas leis visam o bem dos que o servem. (Isaías 48:17; 1 João 5:3) Segundo, cortar o contato com o pecador não-arrependido evita que nós e a congregação sejamos corrompidos em sentido espiritual e moral, e preserva a boa reputação da congregação.”
Dessa forma, são perdidos vínculos de amizade, perde-se o convívio familiar, perde-se a dignidade. Nem mesmo um “oi” pode ser dado a quem é desassociado! Inclusive, não há respeito ao Estatuto da Criança e do Adolescente que priva pela proteção à moral do menor, não admitindo sequer que se revele a identidade dos infratores! Desassociado é tratado como pária. Menor, idoso, não importa, são todos jogados no calabouço social.
Com a publicação dos referidos textos, passei a receber dezenas de e-mails de pessoas que foram desassociadas e dissociadas da Igreja Testemunhas de Jeová, que contavam uma historia de dor, solidão, tristeza e até casos de suicídios. Contudo, fiquei muito perplexo, por saber que não era apenas eu que estava sofrendo com o processo desassociatório, e sim milhares de milhares. O que fazer? Decididamente, impetrei uma denúncia no Ministério Público com argumentos de que estava sofrendo discriminação religiosa, perpetrada pela Igreja Testemunhas de Jeová. Argumentei aos promotores que desejava apenas que os meus direitos constitucionais fossem resguardados perante a lei 7.616, e a declaração universal dos direitos humanos, no seu artigo XVIII. Evidentemente, a denúncia foi acatada, imediatamente, dando-me suporte para publicar mais um artigo com a temática: Ministério Público acata denúncia contra a desassociação das Testemunhas de Jeová! Após a publicação deste artigo passei a receber muito mais e-mails pedindo sugestão para seus problemas.
Agora, felizmente, temos uma denúncia consolidada pelo o Ministério Público e entregue a justiça. Recebemos o parecer do promotor, que ele faz alusão, não apenas aos anciãos que desassociam, mas a própria religião das Testemunhas de Jeová de estar violando a Constituição do país. Acompanhem por favor, alguns trechos:
“Ao se ler os depoimentos dos autos chega-se a conclusão que por si só a DESASSOCIAÇÃO não seria contrário a Constituição Federal ou que tal fato por si só constituiria um crime, vez que a mesma baseia no princípio de que ninguém é obrigado a ficar associado ou que nenhuma associação é obrigada a manter em seus quadros quem não cumpre com seus estatutos ou regras.
Ocorre que a DESASSOCIAÇÃO da vítima foi acompanhada de uma verdadeira "EXCLUSÃO SOCIAL", pois ao ser desassociada, a vítima passou a ser evitada por pessoas de sua convivência familiar e social que estão ligadas a referida religião e que tal "exclusão social" foi iniciada pelos ministros da referida igreja quando pregaram o distanciamento das pessoas que são do círculo da congregação da vítima SEBASTIÃO RAMOS DE OLIVEIRA, o que caracterizou a ação de IMPEDIR e OBSTAR a CONVIVÊNCIA SOCIAL, o que infringe o art. 14 da lei 7.716/89 e contraria os mandamentos constitucionais.
Os líderes da referida igreja e que são os que pregam que os desassociados deveriam ser ignorados.
Os depoimentos revelam a ação de IMPEDIR ou OBSTAR a CONVIVÊNCIA SOCIAL ou FAMILIAR mediante a ação dos denunciados em divulgar a DISSOCIAÇÃO acompanhada de "proibição" de relacionamento social ou familiar por causa dos seus escritos e que fizeram com que o mesmo fosse "expulso" da convivência da Congregação das Testemunhas de Jeová.
Os depoimentos revelam que a vítima após ser DESASSOCIADO de sua congregação e por influência da ação dos denunciados passou a ser "ignorado" por parentes e amigos ligados à religião, que praticamente cortaram todas as relações com a mesma por conta e influência direta dos denunciados.
A vítima foi ouvida e revelou em dois depoimentos o que se deu depois de sua DESASSOCIAÇÃO
Fica bastante evidente que os denunciados como Ministros da Comunidade Testemunhas de Jeová colaboraram ativamente para a prática do delito em questão e que não pode se albergado pelo direito à prática religiosa, vez que a prática religiosa é livre neste pais, mas o uso da religião para praticar crimes não é contemplado e não serve de excludente de criminalidade. Além dos fatos narrados com a referida vítima há diversas narrativas nos autos de que membros da referida religião estariam praticando a discriminação contra pessoas dissociadas simplesmente porque sua religião assim o prega e seriam incentivados a tais atos sobre o pálio de indicações religiosas.
É verdade que ninguém é obrigado a viver em associação sem sua vontade ou quando descumpre regras desta associação, mas pela nossa carta magna ninguém pode incentivar prática de um crime, os que fizeram os denunciados a "pregarem" uma "exclusão social" sem precedentes. Ser expulso da convivência religiosa de uma congregação é uma coisa, mas ser expulso da vida social e até familiar por conta de preceitos religiosos são fatos que nosso Estado não permite.
Durante o trâmite do Inquérito Policial que culminou com o indiciamento dos denunciados esta Promotoria de Justiça recebeu cartas de pessoas indicando que passaram pelos mesmos problemas da vítima SEBASTIÃO RAMOS, motivo pelo qual são anexadas as referidas cartas e as pessoas ali indicadas são arroladas como testemunhas.”
Bom, o que importa é que a denúncia foi consolidada, e foram denunciados os líderes da Igreja Testemunhas de Jeová em processo criminal, cujo, a maior culpa pela desassociação recai sobre a liderança da Religião que vem arrogantemente rasgando a declaração universal dos direitos humanos, e a Constituição Federal.
Para que continuássemos avançando nesta jornada de luta pela liberdade, tivemos que atuar também politicamente, solicitando apoios de parlamentares de diversos estados. Mesmo debaixo de ameaças, não nos intimidamos, fomos as avenidas e praças públicas, expomos faixas, distribuímos milhares de cópias de textos publicados em jornais, sem contar com carro de som, e por fim, constituímos um fórum inter-religioso, em que seus participantes tem nos apoiado na luta contra a desassociação discriminatória.
À medida que as nossas intervenções aumentavam, os desassociados e dissociados se organizavam em todos os estados do Brasil na luta pelos seus direitos. Não é por mera coincidência, que nosso processo foi um referencial para que fossem abertos mais reclamações contra a desassociação, e conseqüentemente, contribuíram para que o Ministério Público viesse atender o nosso clamor.
Agradeço o apoio recebido de autoridades e instituições de respaldo, como das Comissões de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, da Assembléia Legislativa do Estado do Ceará e da Câmara Municipal de Fortaleza, na pessoa do Vereador João Alfredo, vice-presidente daquela instituição, e principalmente, do Escritório Frei Tito de Alencar que sempre nos acolheu, com altruísmo, e agora seus advogados se colocam como assistentes de acusação no processo judicial.
Já me sinto vitorioso por ter denunciado tão grande afronta à dignidade humana. Tenho me imbuído de força ao ver que meu desejo de justiça ecoa por todo o Brasil.
Para os que sofrem com essa violência, um recado: Cabeça erguida! Coragem! “Grandes caminhadas começam com pequenos passos.” (Provérbio oriental.)

Sebastião Ramos, Funcionário Público Federal na UFC e-mail: sebastianramos7@gmail.com


O artigo foi retirado do site: http://www.jornaldiadia.com.br/jdd/artigos-e-opinioes

quinta-feira, 3 de junho de 2010

"Se o amor incomoda (você), faça uma consulta psiquiátrica"

SANTIAGO, Chile —


A campanha usa imagens enormes para promover a aceitação dos relacionamentos homossexuais, inclusive um outdoor com duas lésbicas se beijando nos lábios colocado na Plaza Itália de Santiago. O subtítulo diz: “Se o amor incomoda você, faça uma consulta psiquiátrica”, e afirma que “Homofobia e transfobia são violência”.
Outra imagem, que está aparecendo em mais de 40 ônibus de Santiago, mostra um casal idoso presumivelmente em seu lar, sorrindo enquanto dois homens homossexuais se beijam nos lábios no fundo. O subtítulo diz: “Pelo fato de que temos princípios, combatemos a discriminação”.
A campanha está sendo conduzida pelo Movimento Chileno de Minorias Sexuais (MOVILH), com descarado apoio financeiro da Embaixada da Holanda, cujo logotipo está afixado no fundo dos cartazes.
O jornal La Vanguardia do Chile diz que as imagens têm “provocado polêmica no Chile, onde a vasta maioria da população é católica e conservadora”.
Chile, uma nação que tem historicamente tido fortes valores de família, tem até agora resistido às pressões para criar direitos especiais para os homossexuais, algo que MOVILH está publicamente buscando mudar.
“Em nosso país não existe nenhuma lei que faça referência aos direitos das minorias sexuais, mesmo quando temos obtido a aprovação de regulamentos municipais contra a discriminação. Com essa campanha, estão buscando promover e fazer pressões em favor da aprovação da lei contra a discriminação e outros regulamentos que acabarão com os problemas que todos sofrem, quer homossexuais ou heterossexuais”, a organização declara em seu site.


Radio Macau "Cantiga de Amor"

terça-feira, 1 de junho de 2010

Katy Perry - I kissed a girl

XI Marcha do Orgulho LGBT (Lisboa 19.06.2010)

Polyamor -amar com ou sem sexo, uma e/ou várias pessoas

Achei interessante este conceito - Poliamor - e o site português - Poly Portugal - Poliamor.
Para quem se interessa por pessoas, por amor, com e sem sexo, com um/a, dois/duas ou várias pessoas.
O endereço é: http://polyportugal.blogspot.com/

PS apresentou livro a propósito do casamento homossexual

Sócrates almoça com Associações GLBT

PM reafirma que casamento homossexual reduz desigualdades e discriminação

PM reafirma que casamento homossexual reduz desigualdades e discriminação


No dia em que entrou em vigor a lei que permite o casamento entre pessoas do mesmo sexo, o primeiro-ministro convidou para um almoço representantes de várias associações lésbicas e gays. No Palácio de São Bento, defenderam que o casamento entre pessoas do mesmo sexo torna Portugal "um exemplo internacional" no combate à discriminação. Sócrates reafirmou que fica saldada uma dívida com o passado. 

Representantes de associações nacionais e internacionais de homossexuais almoçaram com Sócrates


Sócrates diz que fica saldada uma dívida com o passado com a aprovação da nova lei

Notícias País Para assinalar o dia em que foi publicada em Diário da República a lei que permite o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, o primeiro ministro, José Sócrates, promoveu um almoço na residência oficial.
Na iniciativa estiveram presentes a secretária de Estado da Igualdade, Elza Pais, o deputado independente eleito pelo PS, e homossexual assumido, Miguel Vale de Almeida e representantes da ILGA, da Opus Gay, da Rede Ex-Aequo e da Associação de Mães e Pais pela Liberdade de Orientação Sexual (AMPLOS).
A nível internacional, estiveram presentes Pedro Zerolo, antigo presidente da Federação Estatal de Lésbicas, Gay, Transexuais e Bissexuais de Espanha e membro do PSOE, e Evelyne Paradis, da ILGA Europa.
Para o presidente da ILGA, Paulo Corte-Real, este dia "significa o início de um novo estádio de luta contra a discriminação, que vai exigir muitos passos adicionais e uma grande mobilização", como a parentalidade.
"Todas as lutas em relação à parentalidade, que já existem há muito tempo, naturalmente que continuam, temos vindo sempre a chamar à atenção para a necessidade de olhar para as crianças que já existem hoje em Portugal e já são criadas por casais de pessoas do mesmo sexo, sem terem a proteção de verem ambas as pessoas reconhecidas legalmente enquanto pais e enquanto mães", sublinhou.
Corte-Real sublinhou que esta lei coloca Portugal como "sexto país da Europa e oitavo do mundo" na igualdade de acesso ao casamento.
Já Margarida Faria, presidente da AMPLOS, rejeitou que Portugal seja um país homofóbico, mas considerou-o conservador: "As pessoas não se dão conta do efeito negativo desse conservadorismo, porque as pessoas verbalizam coisas que ofendem muita gente, ofendem-me a mim como mãe, ofendem os nossos filhos, os nossos amigos, os nossos irmãos".
"Não imaginam quanto ofendem cidadãos que estão mesmo ao seu lado, cidadãos que estão neste processo a tentar ao máximo que isto se naturalize", disse, apelando às novas gerações para uma mudança de atitude.
Pedro Zerolo, por seu lado, manifestou o seu orgulho por poder desfrutar de "um dia histórico": "Portugal entra pela porta grande no mapa da liberdade, da igualdade e da diversidade, graças ao trabalho das organizações LGBT, graças a uma maioria política de esquerda, de progresso, mas sobretudo graças à valentia do presidente Sócrates, é um presidente valente".
Evelyne Paradis, da ILGA Europa, apontou o dia como "um marco", saudou a "coragem política" do Governo, mas disse esperar que este "seja apenas o primeiro passo na adoção de outras medidas que precisam de ser tomadas".
"O casamento é um passo crucial para a igualdade mas há mais a ser feito em termos de direitos parentais e os direitos dos transexuais, é uma discriminação diferente que precisa de ser abordada de forma específica", apontou.
(Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico)
Lusa

Segunda-feira já vai ser possível celebrar casamentos entre pessoas do mesmo sexo

http://www.publico.pt/Sociedade/segundafeira-ja-vai-ser-possivel-celebrar-casamentos-entre-pessoas-do-mesmo-sexo_1439974

quinta-feira, 20 de maio de 2010

aquela pessoa que passa quem é?

eu gosto da honestidade
daquela honestidade imediata
fui criada com tantas frases feitas que...o espontâneo fascina-me
aquilo que por mais ridículo que seja dito, seja aquilo que saiu daquele modo...
eu gosto de coisas simples, daquelas sem gelo, imediatas,
um abraço
um sorriso
não gosto nada de palavras umas atrás das outras
pensadas
ordenadas obsessivamente
gosto de me deixar levar pelas descobertas do dia-a-dia
olhar para o que me rodeia
dou de caras com as pessoas bonitas (aquelas que me atraem em todos os sentidos)
a vida acontece
observar
as pessoas bem resolvidas
as pessoas mal resolvidas
as pessoas assim-assim
a vida é uma narrativa complexa
escrever num só sentido é por vezes dizer só parte do que se passa
a honestidade
por exemplo é para mim
beber uma cerveja quando me apetece
ou
dormir quando me apetece
ou
ficar a olhar para aquela pessoa que

terça-feira, 18 de maio de 2010

A. uma paixão que um dia eu tive, singular, sorriso

A. passava por mim...no domingo passado...no bairro onde eu vivo...fora do bairro onde A. vive...não foi a primeira vez...mas não tão próximo...frente-a-frente...eu, óculos escuros...A...um chapéu de chuva dirigido a mim...que...eu, ex-testemunha de Jeová, lembraste de mim?!...penso que sim...só assim posso entender que...não me fales...que voltes o chapéu de chuva na direcção da chuva...tapando a tua tristeza...visível...A. ainda Testemunha de Jeová...A. gostava de "meter-se" comigo, a propósito de um rapazinho quase da mesma idade...sorriamos juntos todos, uma idade da inocência bonita, daí teres sido uma paixão minha...e, eu quase era feliz...eu tinha uma idade diferente de A....e "achava" piada a A.
Passou por mim, chapéu de chuva em riste. Cresci. Sou agora uma mulher. Poderíamos falar de...ontem...e de hoje...percebo o teu silêncio doloroso...e não quis estar no teu lugar...
A. é infeliz como posso sabê-lo?!
A. o que sabe de mim?!
A. se me leres
saberás que é para ti
que é feito dessa vida singular que era tua, o teu sorriso, aquilo que existe em cada um?!

Presidente da República Portuguesa diz "Sim" a casamento entre pessoas do mesmo sexo

domingo, 9 de maio de 2010

informação actualizada sobre este blog

Este blog tem passado por diversas fases.
No início, criado por uma mulher como um espaço de encontro de tod@as ex-testemunhas de jeová, independentemente da sua orientação sexual, tentou ser um grupo que pudesse congregar ex-testemunhas de jeová. O contacto esporádico, o anominato, e a procura de ajuda foram alguns dos tipos de contacto que surgiram. Mas as ex-testemunhas de jeová, parece, adoptam uma postura silenciosa, e, principalmente, anónima.
Parece, mais uma vez, que não se querem comprometer, daí que, o grupo não chegou até ao momento a formar-se e a desenvolver-se, no sentido em que eu o pensei - congregar ex-testemunhas de jeová e partilha de experiências.
Desde a sua criação, o blog tem recebido contactos de homens e mulheres que procuram ajuda. Escrevem, deixam testamentos e vão-se embora. Tem sido assim.
Ora, podem deixar mensagens e podemos dialogar mas este não é o lugar onde há técnicos especializados em ajudar a resolver questões pessoais.
Este blog é pessoal e é de alguém que como ex-testemunha de jeová tem sentido necessidade de partilhar algumas das coisas do seu mundo e do mundo ex-testemunha de jeová.
Cada um faz o seu percurso.
É assim que deve ser entendido este meu blog.
É assim que devem ser entendidos todos os contactos que fizerem com este blog.
Olhando para as páginas de blogs no Brasil de ex-testemunhas de jeová, há uma significativa diferença, diria, anos-luz, há visibilidade e defesa dos direitos humanos, em união, as ex-testemunhas de jeová lutam em conjunto; em Portugal, e, mais uma vez, parece-me, cada uma das ex-testemunhas de jeová, está isolada; de facto, também a este sítio chegaram pessoas que foram acolhidas e partiram sem nada dizerem, isto causa alguma tristeza,(muita, confesso) desalento e desgaste, estou-me a lembrar de um homem do Norte de Portugal que assumiu a sua homossexualidade perante a mulher (já não me recordo de mais pormenores, não interessam), ainda conversámos via telemóvel, mas a certa altura, fui excluída do msn...daí também o meu cansaço de ouvir, acolher, responder, escutar; daí também que queira continuar ou não...com este blog.

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Resolução da Assembleia da República n.º 39/2010

Recomenda ao Governo a adopção de medidas que visem
combater a actual discriminação dos homossexuais
e bissexuais nos serviços de recolha de sangue
A Assembleia da República resolve, nos termos do n.º 5
do artigo 166.º da Constituição, recomendar ao Governo:
A adopção de medidas que visem combater a actual
discriminação dos homossexuais e bissexuais nos serviços
de recolha de sangue, nomeadamente através:
Da reformulação de todos os questionários que contenham
enunciados homofóbicos, designadamente no que concerne a questões relativas à prática de relações sexuais
entre homens;
Da elaboração e divulgação de um documento normativo
da responsabilidade exclusiva do próprio Ministério da
Saúde que proíba expressamente a discriminação dos(as)
dadores(as) de sangue com base na sua orientação sexual
e esclareça que os critérios de suspensão de dadores se
baseiam na existência de comportamentos de risco e não
na existência de grupos de risco.
Aprovada em 8 de Abril de 2010.
O Presidente da Assembleia da República, Jaime Gama.

quinta-feira, 6 de maio de 2010

o mais importante

igualdade, objectividade, transparência e verdade

terça-feira, 4 de maio de 2010

um texto escrito na primeira pessoa faz toda a diferença

há muito tempo que deixei de viver de acordo com aquilo que os outros esperam de mim.
sou feliz e pronto.
estar dentro e estar fora de verdades, meia-verdades, mentiras, faz-me confusão.
daí ter ficado apenas com os amigos. aqueles que o são.
gosto mesmo de escrever aquilo que me apetece
tento fazer tudo aquilo que me apetece
com quem me apetece

dá-me um imenso gozo ser eu


ser este o primeiro blog de uma ex-testemunha de jeová
há orgulho nisso
confesso
ter um blog em que assumo que fui testemunha de jeová
fui dessassociada
desassociei-me
mostro-me como eu sou

saí das testemunhas de jeová porque havia mentira
e onde há mentira há dor
há hipocrisia
e uma série de doenças do pensamento
não posso pactuar com pensadores
a verdade simples do dia-a-dia é-me grata
é por Ela que caminho

sou autêntica comigo e por isso sou autêntica com os outros que me leêm
sou espelho de mim própria

este lugar é
o primeiro blog assumido
assumidamente em portugal de uma ex-testemunha de jeová
já me deram os parabéns
a liberdade que aqui escrevo é o meu caminho pessoal que percorri
e ninguém tem nada a ver com isso

sou livre
a liberdade conquista-se
com um rosto
tenho um blog público
tenho um blog directo
quem vem aqui sabe ao que vem
a liberdade para mim é um prazer
vivo-a
diariamente
partilho-a com quem eu gosto
e também com quem gosta de mim

quem quiser pode ficar
aqui
por aqui
pode, claro que pode
e quem quiser
pode ausentar-se daqui
claro, que pode

façam-me apenas um favor

eu nunca gostei que me seguissem!

é que eu não sei para onde vou..

domingo, 2 de maio de 2010

Alerta máximo, sinalizar os casos de violações psicológicas praticadas por parte dos anciãos das Testemunhas de Jeová

publicam-se hoje neste blog quatro testemunhos de pessoas que são testemunhas de jeová ou são ex-testemunhas de jeová.
são casos verídicos em que as testemunhas de jeová através de coacção simplesmente pervertem ou tentam perverter o sentido natural da vida de cada um(a).
estes relatos são publicados, anónimos, são simplesmente publicados para dar conta do mal que as testemunhas de jeová fazem ao seu redor.
é preciso denunciar as práticas diárias escondidas das testemunhas de jeová, nomeadamente, através dos anciãos das congregações.
é preciso denunciar a malvadez e os atentados à individualidade de cada ser.
os cordeiros com pele de lobos são as testemunhas de jeová.

não pactuamos com ex-testemunhas de jeová que também estão com um pé dentro outro fora.
apelamos às pessoas corajosas que denunciem os seus casos para acabar com a sua extirpe (testemunhas de jeová!)
publicaremos com anonimato todos os relatos que nos fizerem chegar.

Testemunho na primeira pessoa

"Boa tarde. Tenho 16 anos e desde os meus 6 anos começei a ter estudo biblico (ja que a minha mãe e irmã, são testemunhas de jeová), quando soube o que era expliquei ao meu instrutor, ao que ele disse que não poderia ter nenhum contacto com um gay (ja que dizem que ia tornar-me como eles) assim o fiz, mas senti-me triste e sem vontade de viver, até que um dia falei com um rapaz (estou com ele há 16 meses) e desde que começei a estar com ele a minha vida mudou... Tive vontade para trabalhar e estudar (nunca fui um grande aluno) e ele tem apoiado muito... Isso é uma coisa que não posso dizer da minha mãe e irmã que me insultaram e desprezaram-me, os testemunhas de jeova iam costantemente a minha casa para não ir ter com ele até um dia que eu disse que sou feliz assim e não se muda de sexualidade quando se quer... Desde o dia que disse isso nunca mais os vi, nem nunca mais disseram-me nada... Isto é amar o próximo? Não entendo... Eles viam-me na rua e viravam os olhos, mas isso agora não me importa porque agora sim eu estou feliz... Felizmente uns 4 meses mais tarde a minha mãe liga-me e disse que precisava de falar comigo... A minha mãe e irmã pediram-me desculpas pelo o que fizeram-me e agora tratam-me bem e com carinho... Estou ainda com essa pessoa... Passamos por muitas coisas... E ele sempre apoiou-me... Os testemunhas de jeova fizeram queixa à PJ por ele ser mais velho, mas o que não sabiam é que eu tinha mais de 16 anos e podia dizer que assumia que tinha uma relação com ele sem alguém nos poder atingir com a lei. E desde aí nunca tive coragem de falar com essas pessoas que fizeram a queixa... Houve um TJ que foi a minha casa buscar o meu computador abri-lo (sem saber para que o arranjo que ele disse que ia fazer) e mostrar fotos e conversas minhas que tinha com o meu namorado, não era nada de mal mas nao foi uma boa coisa que fez... Não me vinguei dele porque não gosto de vingar-me pois o que ele fez não foi correcto e Deus vai castigar-lhe."

Testemunho na primeira pessoa

"Quero expressar desde ja o meu espanto e admiração por existir este grupo. Algo que ja me tinha ocorrido, mas que creio que nunca fosse fazer. Finalmente sinto que posso exprimir o que sinto a alguém q é capaz de me compreender. A história é enorme, mas resumidamente cresci numa família testemunha de Jeová. Sempre fui "exemplar" e realmente não posso dizer q me sentia mal em ser tj. O problema surgiu quando os sentimentos me começaram a dividir. Apercebi-me q gostava de raparigas muito cedo. Foi sempre muito difícil lidar com a situação. Mas tinha o apoio incondicional e compreensivo da minha irmã e com ela nunca me sentia sozinha. Acontece o pior.
(...)
Bem, pelo menos a parte de eu ter sido desassociada e agora estar completamente só, isso já devem saber o que é. Não tenho amigos nenhuns, eu que sempre me rodeei de imensa gente, sempre gostei de estar no meio das multidões e ter sempre mais requisitos do que aqueles aos quais podia comparecer...de repente estou sozinha. Os dias custam a passar, n me apetece nada e acho q a continuar assim...n sei mesmo...Sinto-me mt só e triste. Precisava de falar com alguém q realmente me compreendesse. (...)


Ja agora, tenho 23 anos e sou de (...)".

Testemunho na primeira pessoa

"Olá, boa noite!




Bom, nem sei por onde começar. A pouco tempo me envolvi com uma irmã e acabo de terminar com ela, porque ainda acredito no proposito de Jeová. Na verdade queria ter provas concretas q futuramente isso nao me acarretaria mal alguma ela, esto fazendo isso por ela, pq me sinto culpada por nós estarmos nesta situação. Eu qria mt q isso tdo nao fosse verdade pq acho injsto duas pessoas que se amam tanto nao poder ficarem juntas. Sabe, está sendo bem dificil para mim, com lagrimas nos olhos q stou escrevendo aqui. Acabo de terminar e fui procurar no google algo sobre o assunto...então encontrei seu contato. É dificil acreditar q Jeová sendo um Deus tao amoroso, nao permita q duas pessoas q se amam possam estar juntas, eu penso as vezs: que mal tem, eu estar jumnto cm ela e ainda assim servir a Jeová? pq estamos jntas a 1 ano, e isso nao atrapalha em anda, continuo indo ás reunioes, serviço de campo...o trabalho faço pq gosto mas ter uma pessoa no msm sexo ao meu lado nao atrapalha...pq oq faço nao tem valor aos olhos de Jeová, nao to matando em roubando entende? to sendo honesta no q faço, gosto de ta na organização, oq me encomoda é smente isto, ta cm alguem escondida. Então resolvi terminar, mas ta doendo dmais e doi ainda mais ve-la chorando. Algumas pessoas, irmãos...ao flar sobre o assunto flam q isso é falta de vergonha, isso doi mt, pq eu sei q vc ai, lendo este texto sabe qnao é, e mts outras pessoas tbm sabem...q isso é amor, um amor como outro qlqr, o msm q pessoas do sexo oposto sentem. Nunca pensei q sofreria assim..."

Testemunho de uma ex-testemunha de jeová na primeira pessoa "eu fui uma testemunha de jeová"

"Eu sou a Ana, tenho 41 anos e sou de Lisboa.

Até os sonhos com o pesadelo do Armazedon, durante anos eu tive.

Cresci nas Testemunhas de Jeová desde os meus 5 anos, após a morte do meu pai, a minha mãe iniciou um estudo bíblico com uma prima afastada e, fui baptizada com 13 anos, fui uma Testemunha de Jeová, passou muito tempo e houve coisas que acabaram por ser esquecidas por não me recordar disso mas com quase 18 anos, salvo erro, fui numa viagem de finalistas com alguns colegas da escola secundária onde estudava, fomos até...., ficámos lá numa pensão, e, para essa viagem convidei uma "amiga" que frequentava às vezes as reuniões, e como sempre fui de partilhar o bom com quem gostava, desse ida resultou a primeira comissão judicativa, já que a minha "amiga" foi dizer aos anciãos que eu tinha estado na cama com um rapaz; de facto, tinha estado a tomar banho com ele, nus, e tinhamos estado a conversar na cama, deitados, na mais das puras das inocências, hoje carinho, coisa tão plena e bonita, é claro que as mentes perversas dos anciãos das Testemunhas de Jeová nunca jamais puderam pôr a hipótese de eu não ter tido relações sexuais com aquele rapaz. Isso é de uma grande maldade e perversidade! Visto a esta distância, realmente, as mentes perversas vêm mal em tudo! A minha mãe, esteve do lado deles. E isso foi muito mau naquela altura.

Fui repreendida e dessassociada.

Foi muito doloroso na altura.

Fiquei totalmente sozinha no mundo.

As Testemunhas de Jeová eram o meu mundo.

Eram tudo aquilo em que eu me revia e que eu tinha.

Os anciãos, que e tinham visto cresce, eram uma espécie de pais, impiedosos, que me repudiaram naquele momento. Isso doia sem fim.

O amor é outra coisa.

Já anteriormente tinha pensado que eu não queria ter nenhuma recompensa "um paraíso" por ser uma pessoa boa.

Era uma boa pessoa porque me sentia bem com isso, e não queria com isso e por isso nenhuma recompensa.

Sofri muito com a dessassociação, como sabes, podemo-nos tratar por tu?

Sofri, tudo! Sofria porque tinha perdido de uma certa forma a inocência, tinha-a perdido porque ma tiraram. Foram maus para mim. A comissão judicativa tinha-me explorado psicologicamente com perguntas durante horas, sobre a minha intimidade. Isso não se faz!

Chorei muito. Muito, muito. Sofri muito. Muito, mesmo!

Não conhecia o mundo para onde fui lançada. Não sabia viver. Tudo era novo. Por vezes, ainda é. Cada vez menos. Mas, como tu, tenho tido a experiência de encontrar pessoas maravilhosas, de facto, melhores do que as Testemunhas de Jeová, sem dúvida nenhuma!

Mas, quis voltar às Testemunhas de Jeová.

Passado um ano de assistir semanalmente às reuniões.

Escrevi uma carta e fui readmitida.

Mas, eu tinha mudado. Não era a mesma. O sofrimento fez-me crescer. Mudar. Sem querer estava já noutro lugar. Isso foi positivo.

Uma organização que faz sofrer assim não tem interesse. Não tem interesse para ninguém. Eu senti o desamor, no mais pleno da minha existência.

Percebi plenamente que algo que faz sofrer não é amor. Nunca está ligado ao amor.

Voltei às Testemunhas de Jeová porque precisava de ser eu a sair. A vir-me embora. Era diferente. Tinha de ser assim.

Ainda assisti a algumas reuniões até que, cada vez fui menos.

Até que passados alguns anos com 25, 26 anos, passado muito tempo de ter deixado de assistir às reuniões, escrevi uma carta de dissociação.

Até há três anos atrás, e, durante alguns anos, trabalhei no Algarve e estava pouco tempo em Lisboa e acabei por não ter contacto com as pessoas que me viram crescer nas Testemunhas de Jeová.
Durante anos, eu baixava os olhos e o rosto quando passava por uma Testemunha de Jeová conhecida, sentia estupidamente vergonha, como se fosse uma criminosa, uma pecadora, por um pecado que nunca cometi.

Há dois anos, regressei a Lisboa, e hoje em dia, já me aconteceu cumprimentar com "bom dia" e até com beijinhos algumas Testemunhas de Jeová que me viram crescer.

Foi um outro mundo, outro registo que vivi. Lembro-me de tudo. Lembro-me do certinho e de gostar de conversar com as pessoas no testemunho. Ir ao testemunho. Pensava eu que...a ilusão, foi duro sair da ilusão. Afinal, é tudo tão artificial. Tão simples. As pessoas são felizes sem pensar, mas a verdadeira vida é outra coisa.
Tem sido assim. Aprender a viver. Dar-me à vida."

sábado, 1 de maio de 2010

conversa ouvida

como é do conhecimento geral, as testemunhas de jeová que andam de casa em casa, de rua em rua, de esquina em esquina, conversam.
conversam de tudo um pouco, diria. eu pelo menos, já as ouvi conversar sobre países distantes com belas praias, resultados de análises clínicas, sobre futebol (ah! pois), automóveis, e agora não me lembro de outros temas, mas se ouvir, direi aqui.
hoje, esta tarde, passaram literalmente à minha janela, e o monólogo que eu ouvi dizia "fomos lá duas vezes, estava interessado no estudo bíblico, mas há terceira vez que lá fomos, já não queria (o estudo)" ouvi silêncio da parte do companheiro;
o tom do desabafo era de frustração.
continuo a perguntar:
-de que vive essa gente?

reflexões

ninguém gosta do tom de alguém que olha de cima para nós
esse é o tom das testemunhas de jeová
com o rei na barriga
acham-se superiores
(dentro da sua mediocridade)
eu também já fui assim
e com isso aprendi a não gostar de conviver com pessoas assim
é que descobri que não sou obrigada a conviver com quem não gosto
nada me obriga a dizer olá a alguém
e
de facto
há nomes de coisas de que eu não gosto
arménio é um som que me desagrada
e como sou vegetariana
tudo aquilo que tem nome de talho ou cheiro a talho..não é por aí
é dérmico
não estou com isto a desprezar ninguém mas há coisas que não fazem parte da minha pele

da minha vida
não gosto também de nomes de deuses de guerra
nem de justiceiros

gosto de deuses deusas de amor
gosto de poesia
e do cheiro a terra molhada

a vida tem-me dado todos os motivos para acreditar só no que eu sinto e a viver de acordo com isso
gosto de flores e de mar
gosto de paz e gosto de serenidade
gosto de ser eu própria
e não me importo nada que haja pessoas que não gostem de mim
gosto de pessoas autênticas
e não gosto de pessoas coitadinhas
nem gosto das pessoas que chamam aos outros de coitadinhas coitadinhos

gosto de pessoas autênticas e sensíveis
gosto de pessoas que não têm medo
gosto de pessoas corajosas
gosto de pessoas que se mostram como são
acho que me entendem

só faço aquilo de que gosto
e gosto das minhas contradições

sexta-feira, 30 de abril de 2010

ter sido testemunha de jeová ensinou-me muita coisa

ter sido testemunha de jeová ensinou-me muita coisa
especialmente a querer que os meus filhos escolham aquilo que o seu coração diz ser verdade
ter sido testemunha de jeová foi uma experiência dolorosa estéril em muitos sentidos para mim
perturbadora
inibidora
ter sido testemunha de jeová não me deu de comer mas tirou-me muitas noites de verdadeira liberdade, daquela a que todos os humanos têm direito, ficar sentada num sofá a ver a passagem das imagens na t.v.
ou, simplesmente ficar onde me apetecia ficar
sossegada
ser testemunha de jeová não fez nada por mim
-o que fiz eu pelas testemunhas de jeová?
mais do que alguma vez seria capaz de imaginar fazer por algo..

sair da seita das testemunhas de jeová é um trabalho que jamais termina
principalmente se a entrada foi uma entrada em criança, ainda jovem
diria, como já o disse anteriormente, de violação da privacidade das crianças

as testemunhas de jeová não são más pessoas
mas o ambiente de crenças que frequentam é que faz terrivelmente mal
à sua vida social, pessoal
íntima

é que as testemunhas de jeová não são assertivas
 são obssessivas e
simplesmente
não sabem ouvir

 engoliram uma cassete

desmontar essa engranagem demora tempo
anos
vida

deve ser difícil ter uma vida íntima com um uma testemunha de jeová

deve ser difícil ter uma vida íntima com prazer com uma ex-testemunha de jeová
eu não queria

são demasiadas barreiras anti-naturais
semíticas

passados anos
ainda vejo em mim barreiras
hoje já não diariamente
mas por vezes é muito visível
como uma religião e os seus mecanismos de controlo dominam as relações entre as pessoas e a linguagem entre as pessoas
fazendo-as viver num aparente paraíso que na realidade não existe
existe sim apenas um cenário montado
ir e vir ás reuniões
um ritual instituído
culpabilizando os faltosos

julgando permanentemente os outros
achando-me a melhor porque detinha a verdade e a  verdade estava comigo
tretas
punindo os faltosos acusando-os por isto e por aquilo coitados coitadinhos não sabem o que perdem...a vida eterna
olhando de lado os outros inferiores significava sentir-me superior intocável... para aqueles que seguiram outro caminho como se....houvesse no mundo pessoas mais...seguir outro caminho fosse algo impensável, impossível

é preciso coragem sim é preciso coragem para sair das testemunhas de jeová
não digo a coragem de alguém se levantar todas as manhãs e ir para o seu emprego atrravessando o trânsito da cidade
refiro-me à coragem de sair de uma estrutura montada oleada torneada mecanizada
é que as testemunhas de jeová acreditam e defendem o que não existe
não se pode provar a existência futura de um paraíso...
não se mentir
não se enganar
procurar a verdade
é um trabalho de construção diário
de construção da verdade
perante si e daí perante si e os outros
autenticidade
é uma trabalho sério
diário

no circuito das testemunhas de jeová
cada membro é aparentemente livre dentro de uma prisão
dentro de um circuito
dentro de uma obrigação de fazer horas
dentro de uma obrigação...livre
a liberdade é apenas aparente e feita de um enorme ruído
um modo de vida fácil
inconsequente


a vida é difícil
fazer escolhas é complicado
fazer escolhas exige dor
sacrifícios
sofrimento
mas isso é que é a verdadeira vida
aquela vida que é sem rede
é estar presente à vida
cair
e
levantar-se
foi tudo isto que tive de aprender depois de sair das testemunhas de jeová
a ser uma pessoa
era um autómato
seguia um caminho já construído
não a minha vida
é por tudo isto ser o meu sangue a minha experiência que posso dizer
deixem as crianças em paz!
deixem as crianças fazer as suas escolhas!

da minha parte só quero um mundo melhor, melhor do que aquele que encontrei
é nisso que em cada dia penso quando estou perante crianças
um mundo mais justo
mais autêntico
com pessoas mais felizes
mais livres

porque as pessoas felizes amam melhor
porque as pessoas felizes fazem um mundo melhor!

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Barbara Anderson faz denuncia de pedófilia nas Tj e é desassociada

http://www.silentlambs.org/andersonlosesappeal.htm

um sentimento para além do pensamento -amar

alguns homens
algumas mulheres
nunca sairam da idade da fralda
já no outro dia escrevi sobre isso
sobre como essas pessoas fazem os outros
com quem mantêm relações afectivas
infelizes
eu já vivi com alguém assim
sei do que falo
sei do que vivi
sei do que aprendi a não querer repetir

a vida ensina-nos a olhar as pessoas
a escolher os amigos
a escolher as relações afectivas
a escolher aquilo que significa
paz
tranquilidade
serenidade

"o bem-estar que está para além de todo o pensamento"

amar

Atenção à navegação

A utilização dos textos deste blog, qualquer que seja o seu fim, em parte ou no seu todo, requer prévio consentimento do autor/a.

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Casamento gay: acórdão publicado hoje no Diário da República

O acórdão do Tribunal Constitucional que considera conforme a Constituição o diploma que consagra o casamento entre pessoas do mesmo sexo é hoje publicado em Diário da República.
Em 17 páginas, o Tribunal Constitucional considera que "a extensão do casamento a pessoas do mesmo sexo" não colide com o reconhecimento e proteção da família como "elemento fundamental da sociedade", sublinhando que o casamento é "conceito aberto", que admite diversas conceções políticas.
A proposta de lei que legaliza o casamento entre duas pessoas do mesmo sexo foi aprovada pela Assembleia da República em votação final global a 11 de fevereiro, com votos favoráveis do PS, BE, PCP e Verdes.
Seis deputados do PSD abstiveram-se. O CDS-PP e a maioria da bancada social democrata votaram contra o diploma, bem como as duas deputadas independentes eleitas pelo PS.
O diploma retira do Código Civil a expressão "de sexo diferente" na definição de casamento.

Público 28 de Abril de 2010

um blog que eu gosto e recomendo com notícias do outro lado do Oceano Atlântico

http://extestemunhasdejeova.blogspot.com/

a verdade liberta

felizmente o tempo da escravatura terminou
hoje não vi testemunhas de jeová
na realidade, as testemunhas de jeová são umas pessoas infelizes,

aliás, pensam que são felizes mas vivem muito limitadas
é uma pena,
em todos os sentidos

só mais uma coizinha
copiaram deste blog 8 mil e tal palavras hoje
8.470 palavras
8 cópias nas últimas 24horas

é muito feio copiar

a verdade liberta

adeus

segunda-feira, 26 de abril de 2010

"o amor não tem fronteiras" dizia alguém hoje, esta tarde

parece um inverno
transformado num verão colorido
as mãos são as mesmas
as que embalam desertos
caminho pela fragilidade do tempo
um mundo é um deserto
que abraço
homens
mulheres
são palavras que o tempo apagou
e me devolveu
com o nome
passado
felizmente
estou viva para dizer
o passado existiu
e hoje a escolha da vida
é minha
presente
vivo o que sei
fazendo de cada dia
um olhar atento
ser melhor pessoa

domingo, 25 de abril de 2010

Manifestações de Ex-Testemunhas de Jeová - 01/12 de abril 2010 em Fortaleza, Brasil

http://www.youtube.com/watch?v=qJbFlprG4Ac

gostaríamos de receber relatos de testemunhas de jeová que são homossexuais e lésbicas

gostaríamos de receber relatos de testemunhas de jeová que são homossexuais e lésbicas, publicaremos de uma forma anónima, confidencial, o material que nos fizerem chegar.
eu acredito que há, testemunhas de jeová, homens e mulheres, homossexuais e lésbicas que pensam, desejam, sonham com, homens e mulheres, ou com ambos.
conte-nos a sua experiência.
divulgaremos de uma forma anónima o seu relato.

sábado, 24 de abril de 2010

as testemunhas de jeová e a idade da fralda

hoje A. ía a sair do supermercado do bairro
saia azul escura casaco castanho
incomodou-se porque não lhe deram a passagem quando saía com os sacos em ambas as mãos

entrei na área do supermercado
lá fora passavam
já as conheço três mulheres ainda jovens mas o peso a mais fá-las mais velhas
eram nove da manhã

a minha mãe hoje a dizer-me que depois de ter ficado doente tinha deixado de ser testemunha de jeová
iupi
tenho que celebrar
finalmente tenho uma mãe saudável
doente e saudável
é bom saber que o equilíbrio é aquilo que sem dúvida fez sentido
passei a gostar de outra forma da minha mãe
a vida transporta surpresas

de regresso das compras
a casa
um conjunto de três homens testemunhas de jeová
com um negro já tinha falado anteriormente
que tinha sido testemunha de jeová
depois um mais novo que talvez me tivesse reconhecido dos meus tempos passados não falou
como a passagem era estreita
o terceiro logo a solicitar uma palavrinha
boas novas
palavras leva-as o vento
porque não vão ajudar as pessoas carenciadas em África
porque estamos aqui
estamos todos fartos de palavras vazias
os hospitais estão com pessoas que precisam de carinho
também há os que fazem isso

depois o mais novo ia chegar-se e talvez dizer deixa-a ela já sabe foi testemunha de jeová
cortei a conversa e avancei no meu caminho

pena é um sentimento terrível
ter pena de alguém
é das piores coisas que existem
mas
não vou dizer
estas pessoas são enganadas pela repetição
e continuava a insistir
coitado é outra coisa terrível
mas esta gente é insuportável
uma vida desbaratada
desperdiçada


conheço também aqueles que apesar de terem abandonado as testemunhas de jeová nunca se separam delas
nota-se pela sua linguagem
eu não gosto de pessoas faz-de-conta
aquelas que querem ainda estar com um pé dentro outro fora
não afirmam que estão fora
são para mim pessoas sem forma
têm medo do pai e da mãe
e não suportam serem  isto ou aquilo assumidos
machistas muitos deles
homens e mulheres
aposto que farão as mulheres/homens com quem casarem infelizes
impositivos
impositivas
do género vê lá se dizes alguma coisa
querem ser importantes
exigem contacto
como uma criança na idade da fralda
inférteis
não tem nada para dar
é fugir deles também
é fugir delas também

ainda
e o A. aquele ancião da minha comissão judicativa que esteve preso e que queria ser advogado barriga grande já o vi algumas vezes a caminhar para a cervejaria anunciada nos mupis de uma avenida principal da capital
nunca o vi ao testemunho

e o outro ancião o L. que era vendedor de carros e agora é vendedor de casas da maior empresa de vendas de casas em Portugal

e, ainda, o outro ancião da comissão judicativa o J. G. também vendia casas na linha de Sintra numa imobiliária

haverá alguma semelhança entre o vender qualquer coisa e o fazer promessas de coisas que aparentemente são uma coisa mas na realidade são outra...?


já não sei quando
a congregação em que eu fui baptizada e publicadora extingiu-se

agora os antigos pertencem a outra congregação

o rebanho é acéfalo

sexta-feira, 23 de abril de 2010

onde está a vida interior das testemunhas de jeová?

ela estava ali a olhar a montra dos sapatos esta manhã
aqui no bairro
conheço-a desde os meus tempos antigos
pertencia a outra congregação
a A. chamo-a assim
olhar sempre triste
agora inchada
gorda
não é velha mas parece ter mais 30 anos pelo menos
não sei se continua casada
provavelmente sim

...
agora faz-me mais confusão estar ligada a alguém só porque se partilha a mesma religião

nunca experimentei
mas imagino que não aguentaria durante muitos anos

a vida ensina-nos tantas coisas
...
outro momento

vi há uns dias atrás
aqui perto
um dos anciões de uma das comissões judicativas
ele a sair do carro
barriga volumosa
recordo
a mulher dele, a A. tinha uns olhos verdes bonitos e uma voz sedutora
e um sorriso malandro

eles nunca se deram bem, era o que diziam na congregação
ele tinha estado preso
ele queria ser advogado
disse-me

viviam vidas separadas

pergunto
-porque permaneceram juntos?
há coisas que me fazem muita confusão...
a mentira faz-me muita confusão

coisas simples
a A.
ela metia-se comigo por causa de um rapaz que achava que nos gostava de ver juntos
sorrio
nunca aconteceu
...
dizia
ele com barriga
sempre a senti uma mulher mal amada
vi-a num dia mais longe
mudou de passeio
não sei se me viu
quando eu era testemunha de jeová gostávamo-nos de nos falar
mas as coisas estúpidas existem
e nunca mais nos falámos
aliás, ela nunca mais me falou
não sei se me evitou desta vez
fica a dúvida
ela está magra
com um ar decrépido
infeliz
velha
velhíssima
...
há relações infeliz
sinto
mesmo quando não nos dizem que há infelicidade

há coisas profundas que não cabem na seita das testemunhas de jeová

tudo é tão anti-natural
e depois ontem também vi a mãe da R.
gorda
penso que nunca voltou a casar
não sei o que é feito da R.
era minha amiga
éramos amigas e sofremos muito quando me dessassociaram
estudávamos na mesma escola secundária
éramos duas adolescentes com imensas dúvidas
éramos muito amigas
eles (elas-crença e prática das testemunhas de jeová) fizeram com que nos separássemos

e também há a P. que estudou comigo na escola secundária
casou, com "um homem rico", "não tem de trabalhar",  teve uma filha, pelo menos, engordou e

a vida destas pessoas é tão previsível
e
banal que chega a ser estúpida
autómatos é o que são
aparentemente seguem um caminho com sentido
e o sentido perde-se
só aparentemente vivem
só aparentemente sentem
mas à vista desarmada só
repetem os mesmos actos, iguais aos de ontem, iguais aos de hoje, iguais aos de amanhã,
e são ausentes de vida própria
diria,
infelizes

quarta-feira, 21 de abril de 2010

a verdade liberta!

aqueles que escrevem contra, contam um conto ensaiado
pena que não pensem que a vida é mais do que o texto que já foi escrito
a vida é mais do que palavras que se decoram como um bolo com receita que há partida sabemos que sairá sempre bem
foi essa a vida que eu tive
com receita
 ia e vinha para a reuniões
era a minha vida
hoje sei que era um ensaio de vida
era uma vida a medo
a medo
sim a medo
-tudo muito previsível
e o previsível é um sofá cómodo
confortável

vivi enganada enquanto
adolescente gostava da agradar à minha mãe
quem não gosta de agradar à sua mãe?

descobri uma nova vida para além da vida plástica que tinha
que tive nas testemunhas de jeová
tinha de facto uma vida artificial
daquelas que não interessa nem ao menino jesus
foi
é assim que eu classifico a minha vida pessoal interior nas testemunhas de jeová
a minha vida interior nas testemunhas de jeová era abafada
simplesmente
não podia existir

mas
e
há sempre um mas
e também um
e
havia uma vida mais plena
interior
uma vida interior
uma via interior
a minha
a minha intimidade
o meu saber
o que eu sou
o que sou diariamente
que o dia-a-dia me puxava para ser
sem medo
concretamente
hoje sou essa vida real
essa vida que tento em cada dia ser igual a mim
uma pessoa melhor

sou grata a Deus pela descoberta.

terça-feira, 20 de abril de 2010

outra, esta manhã, aqui no bairro

esta manhã, cruzei-me com um dueto de duas testemunhas de jeová.
duas mulheres.
passeiam lentamente, com as revistas coladas ao braço e conversavam, diria.

a conversa era sobre o resultado das análises clínicas.
uma fala. a outra escuta.
"olha que a ureia alta significa..."
não!
aí deus!
a ureia alta É...?!

porque é que esta gentinha em vez de andar a dar à língua, sem utilidade nenhuma, apanham frio, calor, chuva e vento e também entopem a paisagem...dizia, porque é que esta gente que é tão interessada na salvação das pessoas,  não presta serviço cívico ajudando os pobrezinhos ou os doentes que vivem no bairro?
e
não tenho nada a ver com isso
mas
há alguém que me responda:
-essa gente vive de quê?

domingo, 11 de abril de 2010

Homossexuais, Lésbicas, Bissexuais, testemunhas de jeová

A propósito da reportagem "Como é ser gay e católico em Portugal" http://publico.pt/1431894 publicada hoje na Pública (revista do Jornal Público), venho aqui deixar uma mensagem para os homossexuais, lésbicas, bissexuais, testemunhas de jeová que nunca é tarde para escolher viver uma vida em liberdade.
A reportagem publicada na Pública é da jornalista Alexandra Lucas Coelho e começa assim "estas histórias falarão por milhares de portugueses: homens e mulheres, catequistas e ex-seminaristas, professores, gestores, artistas. São católicos homossexuais praticantes. Para a doutrina católica oficial, é incompatível. Talvez eles vivam na Igreja do futuro. Mas o preço é alto: silêncio, solidão, sofrimento.

Viver uma vida em liberdade tem o significado de se viver uma vida em consciência de si próprio.
Não há preço para tal liberdade.
Não há preço para a liberdade individual de sentir, pensar, reflectir por si próprio.

algo positivo

Ah!
Alguns dela/es (testemunhas de jeová) da zona em que agora vivo, já sabem onde eu moro (o prédio), portanto, deixaram de bater à minha porta.

"já fiz mais duas horas e meia..."

Estas foram as palavras que ouvi de um jovem menino de uns 11, 12 anos quando me cruzei esta tarde com uma par de testemunhas de jeová.
Passei por eles e senti um desconforto generalizado, a começar no estômago que subiu instantaneamente à cabeça, memórias do meu passado e desceu novamente ao estômago.
Visceral.
Raiva, é o que eu sinto, obviamente, não do jovem inocente, mas da seita das testemunhas de jeová, maligna que instrui tantos jovens, sem autorização e abusando da sua juventude, a serem qualquer coisa sem forma.
Impróprios!
Agora que volto a recordar-me das palavras que aquele jovem proferiu, pergunto-me: o que passará pela cabeça daquele jovem? Quem diz aquilo, o que pensa mais? Quem diz aquilo, o que diz mais que eu não ouvi? O que quererá dizer aquele jovem com "já fiz mais duas horas e meia"? Quererá ganhar mais de um prémio que já tem à partida? Será que pedirá ao pai como recompensa uma nova playstation?
Gostaria que este jovem fosse normal.
Gostaria que este jovem fosse mentalmente são para se libertar futuramente das amarras das coisas ilógicas.
Gostava de acreditar que este jovem é normal, isto é, também joga playstation...
Sinto nojo das doutrinas das testemunhas de jeová e de todos aqueles que nelas participam porque querem ganhar um prémio: " a vida eterna".
Egoístas!
Cínicos!
Interesseiros!
Hipócritas!
Entretanto, vão formando novas fornalhas, as crianças, trata-se de abuso, num conceito!
Abusadores!
Aquela criança a dizer "já fiz mais duas horas e meia", oh! deus, que tiram a autenticidade à vida simples de uma tarde de sol, de um andar, de um viver.
Insensíveis!
Sinto raiva aumentada por saber que tudo o que as testemunhas de jeová ensinam é "uma mão cheia de nada e outra de coisa nenhuma".
Maléficos!
As testemunhas de jeová não ensinam nada de novo, nem dão a felicidade a ninguém. 
A chamada escola da vida essa sim, essa é que ensina tudo: o que há de bom e o que há de mau.
Sinto raiva pelas crianças que são treinadas para dizerem discursos ensaboados.
Desgraçadas crianças!
Há coisas horríveis no mundo, há. De facto!
Perversos!
Pervertidos!
Ocorre-me chamar a este episódio mais um momento de atentado à consciência de alguém. Neste caso, é um atentado à consciência de uma criança, de todas as crianças que crescem como crianças nas testemunhas de jeová!
Violentadores!
Violadores de inocentes!
Sinistros!
Doeu-me ouvir aquela criança dizer o que disse.
É uma dor que não passa assim simplesmente.
É uma dor humana.


Lamento profundamente, de alma, neste século XXI e em todos os séculos, em nome de deus, continuar a haver seitas, pessoas, ditas testemunhas de jeová, testemunhas de deus, testemunhas de crimes, pregadoras e promotoras de atentados às consciências de quem não pode ter uma palavra, um atentado contra as crianças, uma escolha, que em nome de deus, que os adultos enganam, violam as consciências das crianças, choca-me no mais íntimo, principalmente, por ver crianças desvirginadas da sua inocência, não lhes sendo dada a possibilidade de escolha, se querem ou não fazer parte da seita, se querem ou não, andar pelas ruas a fazer aquela figura de pessoas crescidas, que não o são! com fatinho e gravata, oh! deus, desgraçadas crianças que são simplesmente violentadas na sua liberdade de escolha.
É um olhar crítico de quem foi testemunha de jeová.
Está tudo dito, não está?!

sábado, 10 de abril de 2010

Uma de duas, uma. Humanidade.

Só se pode viver a favor da verdade ou contra a verdade.
Quem diz, viver a favor da verdade, é o mesmo que dizer, viver o que é a humanidade, o que ser humano representa, aquilo que se baseia na experiência humana, no sensível, no que nos faz ser indivíduos que reflectem e se emocionam.

Só vive aquele que realmente faz do humano, vive o humano, o seu, diário, caminho.

sábado, 3 de abril de 2010

Uma reflexão para quem quiser fazer

Lembrei-me não sei porquê, de deixar aqui um pensamento a propósito do que por vezes se lê ou ouve alguém dizer... encontram-se algumas pessoas, algumas ex-testemunhas de jeová que comentam a homossexualidade, desaprovando-a com tom de ironia e de uma forma jucosa.
Saberam essas pessoas que na maior parte das vezes, quem desdenha quer comprar? Dizendo em português mais-direito-ao-assunto: que aquilo que criticamos nos outros é se calhar aquilo de que temos mais medo de ser?
Uma situação para reflectir, quem quiser, obviamente.
Adeus.

sábado, 27 de fevereiro de 2010

Se a tua mãe fosse lésbica, mudava alguma coisa? Sim, mudava.


Se a tua mãe fosse lésbica, mudava alguma coisa?
Mudava.
Ser lésbica, ser mãe lésbica é diferente de ser mãe heterossexual. É.
Ser mãe lésbica não só muda alguma coisa.
Ser mãe lésbica muda tudo. É.
Não é assim com publicidades que se mudam mentalidades e preconceitos.
A vida de uma mãe e que simultaneamente é lésbica é muito mais do que a publicidade escreve.
É que de facto, ser mãe lésbica muda muita coisa.
Imenso.
Sintam.

domingo, 14 de fevereiro de 2010

Eu fui uma criança testemunha de jeová

Eu fui uma criança testemunha de jeová.


Uma prima da minha mãe impingiu a ressurreição do meu pai à minha mãe, e a minha mãe, coitada, inconsolada, crente, aceitou participar na grande mentira.
A minha mãe tornou-se testemunha de jeová e eu criança fui sem escolha uma criança testemunha de jeová.
Ora, nada melhor do que o relato da minha experiência para dizer que, não valeu a pena ser criança testemunha de Jeová, sabem porquê? Porque aquela seita é perversa, os velhos são suportados, os adultos homens e mulheres são estranhos, os adultos jovens tentam encontrar uma noiva desesperadamente no seio (disse bem, no seio...), dentro da organização. Esta espécie de incesto faz-me lembrar outra situação bem próxima, os casamentos entre primos da mesma família, e os outros, os casamentos de conveniência...dentro é claro do amor ao Pai (deus), é de facto, tudo muito promíscuo..., sim, se o amor não escolhe idade, nem raça, nem sexo, porque havia de o amor acontecer ali mesmo dentro das congregações...um bocadinho forçado convenhamos...
Dizia eu que a criança que eu fui, testemunha de jeová andava com saias e com vestido quer fizesse sol quer fizesse chuva, para as reuniões, para o testemunho, uma enorme chatice, convenhamos, só para agradar a deus? será que deus não me daria o paraíso se eu andasse de calças quando me apetecesse e tivesse frio nas pernas? alguém acredita que um deus bom proibe alguém de ter as pernas quentinhas quando está frio? não me parece! mais, enquanto criança das testemunhas de jeová fiz designações e dei comentários nas reuniões e até enquanto adolescente dirigi um estudo bíblico, li livros, li muitos, revistas, livros, com imagens de paraísos, acompanhados pelos textos do apocalipse, estes cheios de monstros para os desobedientes, para os maus, com a oferta de destruição eterna, uma criança não gosta destas coisas, só os adultos perversos é que podem oferecer às crianças tais contradições...se o armagedom é mesmo mau e é ensinado por adultos é bem possível que esses adultos sejam pessoas perversas como é que é possível aprender alguma coisa de bom e de útil com esses adultos que seja útil para a minha vida com tais imagens e com tal leitura, entramos de facto, no domínio do terror, da perversão.


Felizmente, o meu deus é bom e tem-me abençoado com o esclarecimento sobre as verdadeiras intenções da seita das testemunhas de jeová, que defende a morte para alguns quando afinal a Humanidade tem lutado contra o abandono da pena de morte...
Eu não acredito num deus mau, acredito em pessoas perversas, más, aquelas que ensinam coisas que fazem mal à vida das outras pessoas.


Enquanto criança que fui nas testemunhas de jeová, o armagedom não me ensinou nada de bom, só tive medo, pesadelos e acordei durante muitas noites, com medo. o medo não me fez ser uma pessoa melhor.


Felizmente na idade adulta, percebi o que a seita é, no todo percebi as engrenagens, sei o que a seita é para além das aparências. Livrei-me de uma seita que ensina perversamente o amor e o bem-estar. Só as mentes cegas de tanto repetirem sempre a mesma coisa acabam por acreditar na mentira e confundem a mentira com a verdade e a verdade com a mentira. A mentira e o medo cegaram o raciocínio, as testemunhas de jeová como grupo não conseguem ter o vislumbre de que é no dia-a-dia, agora, no presente, enquanto que por cá andamos que podemos praticar o amor.


Deixem as crianças em paz, é isso que devem fazer. Deixem as crianças seguir o seu próprio sentido de vida.
Que as meninas usem calças e que os pais dêem-lhes amor no dia-a-dia, carinho genuíno e deixem-se de conversa incomodativa, conversa que não leva a lado nenhum.


Tantas pessoas a precisarem de ajuda em África, ou a minha mãe aqui mesmo, onde estão agora as testemunhas de Jeová, o que é feito do amor, evaporou-se?


As crianças não precisam de palavreado.
As crianças não precisam de cenas de futurologia, para isso vão ao cinema.


Outra coisa horrível que eu vivi enquanto criança testemunha de jeová foram as reuniões enfadonhas. Aquela conversa mole. Ficava mesmo muito incomodada com os longos sermões, que bem espremido...


As crianças precisam é de brincar e de serem felizes.


E, coitados dos rapazes e das raparigas, não se podem masturbar…é isso que os torna perversos é não serem cientificamente, normais.


Às testemunhas de jeová que lerem isto, deixem as crianças em paz, deixem-nas escolher o que pretendem fazer das suas vidas quando elas puderem decidir o que é verdadeiramente importante viver.

Humor anti-descriminação

http://www.youtube.com/watch?v=1Cr9FhdWVZo

Se a tua mãe fosse lésbica, mudava alguma coisa?

Unir e não fracturar




Nova campanha publicitária da ILGA Portugal executada pela Lowe.

A ILGA Portugal – Intervenção Lésbica, Gay, Bissexual e Transgénero lança hoje (Fevereiro de 2010) a sua segunda campanha publicitária anti-homofobia a nível nacional, executada em regime pro bono pela Lowe.

Campanha do "nós"

http://www.youtube.com/watch?v=cIK3F8Vg4TA


No momento em que o Parlamento português aprova a igualdade no acesso ao casamento e coloca Portugal como um exemplo a seguir em termos mundiais na luta contra a discriminação, a campanha vem também marcar que é tempo de reconhecer que lésbicas e gays são mães e pais, filhas e filhos, irmãs e irmãos, vizinhas e vizinhos, amigas e amigos, familiares ou colegas - e que é tempo de deixar de dizer "eles" ou "elas" e de finalmente passarmos todas e todos a dizer "nós".




A campanha é composta por um spot de televisão (30’’) que começará a ser exibido hoje (Fevereiro de 2010) em vários canais, tendo ainda o apoio da SIC Esperança; cartazes de grande formato, com o apoio do Mecanismo Financeiro do Espaço Económico Europeu e com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa na sua divulgação, que se estenderá subsequentemente a todo o país; e um anúncio para cinema e Internet (60”) que estará disponível online.

gostariamos de receber depoimentos de testemunhas de jeová e ex-testemunhas de jeová

Denunciemos a seita do medo, a seita que impõe o medo aos seus associados.
Publicaremos de uma forma anónima todos os relatos de vida que nos façam chegar.
Precisamos denunciar colectivamente o mal que está a acontecer às pessoas dentro das testemunhas de jeová que pretendem sair ou que denunciam casos de hipocrisia dentro dessa seita e também é preciso denunciar sistematicamente o que as ex-testemunhas de jeová passaram e passam enquanto estão ligadas àquela seita.
É preciso denunciar todo o mal que aquela seita tem feito a todos aqueles que procuram sair e aos que saem da seita.
Já basta de ser tolerante para com uma organização má e que faz mal aos que estão dentro dela e que em nada contribui para fazer um mundo melhor.
Denunciemos a seita que só tem um coração grande em palavras, os anciãos "amorosos" que não o são, as suas acções com amor verdadeiro não existem.
Fica aqui o convite para que façamos crescer a denúncia pública desta seita.
Denunciem.
Não se calem.
Isso é o que a seita pretende, que todos se calem.
Ter medo de denunciar é ser cúmplice desta seita.

Diga NÃO à falsidade, diga NÃO à hipocrisia.
Diga SIM à verdade, diga SIM à verdadeira liberdade.
Diga SIM ao que o seu coração sente.

Reflexão pergunta para as testemunhas de Jeová responderem

As Testemunhas de Jeová adultas que expõem os seus próprios filhos a imagens e a discussões sobre a violência do Armazedon amam mesmo as suas crianças, os seus filhos?

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Livres Pensadores: A Urgência do Ateísmo

http://www.agendalx.pt/cgi-bin/iportal_agendalx/U0014417.html?area=Cursos%2fEncontros&tabela=cursos&genero=Saber%20Mais&datas=&dia=&mes=&ano=&numero_resultados=


Livres Pensadores: A Urgência do Ateísmo
18 Fev: 18h30

Com Christopher Hitchens

Christopher Hitchens é colaborador da Vanity Fair é professor convidado de estudos liberais na New School. É autor de inúmeros livros, entre os quais se destacam Thomas Jefferson: Author of America, Thomas Paine’s Rights of Man: A Biography, Letters to a Young Contrarian e Why Orwell Matters. Viu o seu nome ser incluído no 5.º lugar de uma lista dos 100 Maiores Intelectuais Públicos pela Foreign Policy e pela Prospect da Grã- Bretanha. Hitchens é frequentemente considerado um dos mais proeminentes representantes do moderno ateísmo, e é descrito como fazendo parte do movimento do novo ateísmo. O seu livro Deus não é Grande – Como a Religião envenena tudo, levou a que ascendesse a essa posição de grande destaque. Hitchens, juntamente com os ateístas Richard Dawkins, Sam Harris, e Daniel Dennett, é frequentemente referido como um dos quatro Cavaleiros do Apocalipse. É humanista e anti-teísta, e descreve-se como um crente nos valores filosóficos do Iluminismo. O seu principal argumento é o de que o conceito de Deus ou de um ser supremo é uma crença totalitária que destrói a liberdade individual, acreditando que a livre expressão e a investigação científica deveriam substituir a religião como um meio de ensinar ética e definir a civilização humana. Christopher Hitchens prepara neste momento um livro de memórias, Hitch-22 Some Confessions and Contradictions: A Memoir, que deverá sair em Junho deste ano.

Casa Fernando Pessoa
Endereço: Rua Coelho da Rocha, 16-18
1250-088 Lisboa
Horários: Seg a Sáb: 10h-18h
Telefone: 213 913 270
Fax: 213 968 262
Internet: casafernandopessoa.cm-lisboa.pt
E-Mail: cfp@casafernandopessoa.com
Acessos: Autocarros: 9, 20, 38
Eléctrico: 25, 28
Metro: Rato

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Declaração feita por um leitor deste blog que deixou um depoimento anónimo, ex-TJ homossexual em Portugal - manteremos o anonimato sempre que assim o queiram, respeito acima de tudo

"Aproveito para deixar aqui o meu depoimento, desde mto cedo cedo que sabia que era homossexual, minha familia toda desde sempre foi testemunha de jeová, eu ja fui duas vezes, e fui expulso de novo há uns dois meses.. é dificil vir de um meio em que as pessoas vivem obcecadas em não fazer nada de mal e fazem as coisas não c o amor verdadeiro, mas sim para manter as aparências, em que afirmam que há amor, mas desumanamente deixam seus parentes desassociados jogados num canto criticando todo o seu modo de vida, e esquecendo que por vezes são piores dos que estão fora.. a minha revolta maior, não é ter saido uma segunda vez, mas sim, saber que existem tantos anciãos gays que sao os maiores homofóbicos que existem, e saber que os que pertenceram a minha comissão judicativa, dois deles eram gays, e a maneira maliciosa em como indirectamente me criticaram, magoaram me e por fim, ainda disseram que era dificil perceber o que estava a sentir.. por favor... meu deus até qd continuará tanta hipocrisia.. até qd uma organização continuará em pé mantendo seus membros hipnotizados com a promessa do amor eterno...



eu decidi ir contra tudo e contra todos.. felizmente ja n me sinto mal com a minha condição.. e decidi que vou viver a minha vida, o que sinto dentro de mim, e procurar a felicidade todos os dias, e não esperar que essa felicidade xegue um dia lá mto a frente, eu axo que o corpo governante estraga os sonhos e desejos das pessoas fazendo as pensar que tudo é errado ou um perda de tempo, eu perdi a minha identidade por ser forçado a pensar que não podia gostar de outros homens, que nao podia ser manequim pk ia para um mundo desviado de Deus, que não podia ir para a faculdade pk ia perder o meu tempo, e agora, não fui nada do que queria ser porke era errado... por isso digo, os que forem gays e estejam dentro da organização não adiem mais e vivam a sua sexualidade porque ninguem ai dentro vai-se interessar por voce... ah e por incrivel que pareça qts gays existem mesmo dentro da organização... milhares!!!"

24 de Janeiro de 2010 12:04

"Conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará" e o aumento da letra (o bold é nosso) é propositado para que seja lido e bem por todos os que passam por este blog.

sábado, 23 de janeiro de 2010

reflexão pergunta para as testemunhas de jeová responderem

As Testemunhas de Jeová adultas que expõem os seus próprios filhos a imagens e a discussões sobre a violência do Armazedon amam mesmo as suas crianças, os seus filhos?

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Seguidores

Pictures of Lighthouses

Arquivo do blogue

Acerca de mim

desassociada. readmitida. dissociada.